Arquivos

Posts Tagged ‘decisões’

Seu ministério não é seu

Fazia tempo que eu não postava uma pregação, ou comentários de uma pregação, mas é importante escrever para poder lembrar.

Danny Graston (15/12/2012)

O pregador foi Danny Graston, meu amigo e bisavô na fé. Ele começou comparando dois capítulos do livro de Marcos, o primeiro e o último. Porque neles há duas ordens especiais que Jesus deu, e que as pessoas se agarram firmemente. Segundo ele, “até mesmo uma porção da Bíblia tomada sozinha pode ser um ídolo“. Vamos mostrar por quê.

Em Marcos 1:17, diz:

Jesus lhes disse: Vinde após mim, e eu farei que sejais pescadores de homens.

E em Marcos 16:15, a grande comissão, versículo muito conhecido, diz:

E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.

Dois verbos de movimento que são ordens de Jesus: vir e ir. Qual deles devemos fazer?

Uma característica do ser humano é sempre tomar o caminho mais fácil para si. Mas o que é fácil para um pode não ser para o outro. Por isso, se uma pessoa é mais extrovertida, atirada, ela vai dizer: “Temos que ir! Jesus mandou que fôssemos! Vamos aos confins da terra pregar o evangelho!
Enquanto que uma pessoa mais introvertida, quieta, pacata, diria: “Jesus nos ama, e quer um relacionamento conosco. Por isso, somos chamados a ministrar a ele, então vamos adorá-lo!

É aí que o assunto tange o ministério, pois é assim que ele pode se tornar um ídolo. Se nos apegarmos apenas às partes da Escritura que gostamos, e deixarmos a outra, estamos adulterando a mensagem de Deus, e tornando-a em um ídolo. Como disse Agostinho:

Se você crê somente naquilo que gosta no evangelho e rejeita o que não gosta, não é no Evangelho que você crê, mas sim, em si mesmo.

Essa decisão de “qual é o meu ministério” não deve ser tomada assim.

Em primeiro lugar, você não tem um ministério. Só existe um ministério, e esse é o ministério do Filho, o de reconciliação com o Pai. Deus, na sua grande graça, nos permite que sejamos participantes desse ministério, cada qual fazendo a sua parte, porque somos todos partes de um mesmo corpo, cada um cooperando na medida em que foi permitido por Deus.

Mas essa decisão trata-se muito mais do fruto de um relacionamento do que de sua decisão. Sua vida nunca vai ser somente ir ou somente vir. Mas a hora exata em que você deverá ir será quando Deus falar que você deve ir. E para isso, você primeiro deve vir.

“Vir” significa: estar próximo de Deus, ter um relacionamento com ele, conhecê-lo, saber qual é a sua vontade, amar o que ele ama, e odiar o que ele odeia. Quando você chegar a esse nível de intimidade, as coisas não serão mais penosas, e você não terá mais medo, porque seu coração será segundo o coração de Deus.

Marta preferiu servir, fazer, ir. Maria preferiu ficar aos pés de Jesus, desfrutar, vir. Lázaro… bem, Lázaro morreu. Mas Jesus amava os três. (João 11:5) Não é o que você faz que muda o amor de Deus por você. Portanto, também não é o sucesso ou o fracasso de seu ministério que vai mudar a opinião de Deus sobre você. Mas nessa ocasião, Jesus explicou que Marta estava ansiosa e afadigada, porque ela foi sem ter vindo. Isto é, ela decidiu pela ação antes de ter a comunhão.

A graça da paz

24/03/2011 1 comentário

O intérprete não tem caderninho, não faz anotações, e tem que estar concentrado o tempo todo. Mas se Deus é bom, alguma coisa do que foi falado, ele absorve no coração!

Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo.
Romanos 5:1

Acredito que o Espírito Santo falou com todos os líderes de adolescentes, falando que nesses tempos devemos correr atrás de princípios. Talvez tenhamos chegado a uma situação em que as bases não foram tão bem fundadas, ou talvez avançamos mais rápido do que deveríamos. Vamos voltar alguns passos.

Fomos ministrados que a primeira graça de quem é salvo é a paz de Deus. Alguns poderiam alegar que a primeira graça é a salvação, mas a salvação implica em uma coisa. Quando temos consciência do pecado, somos atormentados pela condenação eterna, enquanto que quando somos salvos, temos a paz da salvação. Então, na essência, uma coisa não existe sem outra.

Como o Danny, eu não sou um cara que ouve muito a voz de Deus (no nosso idioma nativo). Deus normalmente se revela pra mim através da Palavra dele ou usando um indicador muito conveniente. Toda vez que tenho que tomar uma decisão, consulto a Deus. Davi costumava receber a resposta no idioma dele, mas eu normalmente recebo a resposta no coração. Se tenho paz, sigo. Se não sinto paz, fico com o pé atrás. Mas acho que já disse isso.

Está sem paz? Não procure fazer mais coisas pra Deus, como se tentando chamar a atenção dele. Apenas o ame de volta, de seja o mais sincera possível!

Thanks Danny!

Satisfação em Deus (2)

Há alguns meses atrás, Deus me deu uma palavra para guardar no coração, e atentar se meu comportamento realmente reflete na obediência dessas três “leis”. Bom, o tempo passou, e eu até me esqueci disso. Mas isso veio novamente à minha mente esses dias, e eu comecei a analisar direito essa passagem:

Confia no Senhor e faze o bem; habitarás na terra, e verdadeiramente serás alimentado.
Deleita-te também no Senhor, e te concederá os desejos do teu coração.
Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele o fará.
Salmo 37:3-5

A passagem dá três ordens (no imperativo, confia, deleita, entrega) e três promessas que são consequências delas. Mas essas promessas são três níveis de necessidade do ser humano:

  1. Necessidades básicas: Primeiro, ele fala de habitação e alimento, necessidades do ser humano. Acredito que ele se refere a todas as necessidades básicas do ser humano, como comida, saúde, casa, etc. O mesmo tipo de necessidade do qual Jesus alerta “Não andeis inquietos por essas coisas, mas de certo vosso Pai celestial sabe que necessitais delas” (Mt 6:31-32). Logo depois, Jesus fala: “Buscai primeiro o Reino de Deus, e todas essas coisas vos serão acrescentadas.
    Jesus está afirmando que sabe da necessidade dessas coisas, mas que não devemos buscá-las, e sim buscar o bem! Com certeza ele já tinha lido esse salmo, porque na verdade, para obtê-las sem buscá-las, a única coisa que podemos fazer é confiar no Senhor e fazer o bem.
  2. Necessidades pessoais: As pessoas, pela sua semelhança com Deus, têm vontade própria e desejos no coração. Deus está muito interessado em conceder tais desejos, como presentes aos seus filhos. Mas Deus nunca irá conceder um desejo que vá tirar da vida de uma pessoa o primeiro lugar que é de Deus. Em outras palavras, Deus nunca “se destrona” de uma vida, só as pessoas podem tirar Deus do trono do seu coração.
    Por isso, Deus dá a ordem: deleita-te no Senhor. Ou seja, agrada-te dele, alegre-se por tê-lo, por conhecê-lo, encontre prazer nisso. Se isso acontecer, ele ficará mais que feliz de conceder os desejos do seu coração, porque você saberá que coisas vêm dele, e a glória é para ele.
  3. Necessidades de Deus para você: Por fim, Deus fala do seu caminho. Ele se refere a todas as nossas escolhas e decisões, e tudo o que define nossa vida. Decisões são sempre difíceis. Eu, que lido com adolescentes, sei bem, porque na adolescência são especialmente difíceis, porque você não tem experiência nenhuma com nada, e têm que tomar decisões que influenciarão toda a vida.
    Para isso, a Bíblia sugere: entrega o teu caminho e confia nele. Deixe Deus tomar as decisões por você. As pequenas e as grandes. Não parece lógico deixar para alguém que sabe de todas as coisas tomar as decisões por nós? Então por que queremos forçar as situações, ignorar o lado ruim, sofrer com as consequências, e correr atrás do prejuízo? Entrega o teu caminho ao Senhor.

Para também ser estudado: Teoria da motivação de Maslow (http://www.netmba.com/mgmt/ob/motivation/maslow/)

Está em paz?

24/01/2011 1 comentário

Alguns dias atrás estava passando por um blog e li um versículo, mas que estava um pouco diferente do que eu costumava ver, que é assim:

E a paz de Deus, para a qual também fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações; e sede agradecidos.
Colossenses 3:15

Mas eu li ele assim:

E a paz de Deus [...] seja juiz em vossos corações [...]

A diferença não está nas reticências. A questão é que quando eu li “domine” e “seja juiz” eu entendi coisas bem diferentes. Quando eu leio “domine em vossos corações”, eu penso que Paulo está desejando que os cristãos em Colosso sejam invadidos por uma paz inexplicável, e que isso tome conta dos seus sentimentos. Então eu fui atrás da palavra original:

βραβευω (brabeuo) – arbitrar, governar (figurativamente prevalecer)

Árbitro ou juiz, dá na mesma. Imediatamente eu lembrei da época dos Juízes de Israel. Eles não só julgavam o povo (como é o significado mais comum hoje), eles governavam. Pensando como Paulo, ele provavelmente quis dizer que a paz de Deus nos nossos corações é um bom juiz para nossas decisões. Sentiu paz, é de Deus. Não sentiu, não é de Deus. Nada mais simples.
Cada decisão precisa ser tomada com a paz de Deus. Caso contrário, não tome.

Esperando

08/12/2010 1 comentário

Não podia deixar de comentar sobre a pregação de hoje.
Aliás, algumas pessoas até se esquecem, talvez pela baixa qualidade em suas igrejas, ou por repetição ou por desinteresse, mas como é importante ouvir a palavra de Deus de uma pessoa que ouviu do Espírito Santo, domina o assunto e o organiza os pensamentos de maneira a ser compreendida por todos – forma que chamamos de “pregação”. Muitas pregações hoje são um monte de gritaria e repetições de frases de efeito. Enfim…

Eu havia lido o salmo 40 esses dias, mas ele adquiriu um novo e vivo significado que me alimenta.
Na verdade, a pregação começa no salmo 70:

Apressa-te, ó Deus, em me livrar; Senhor, apressa-te em ajudar-me.
Fiquem envergonhados e confundidos os que procuram a minha alma; voltem para trás e confundam-se os que me desejam mal. Virem as costas como recompensa da sua vergonha os que dizem: “Ah! Ah!”
Folguem e alegrem-se em ti todos os que te buscam; e aqueles que amam a tua salvação digam continuamente: “Engrandecido seja Deus!”
Eu, porém, estou aflito e necessitado; apressa-te por mim, ó Deus. Tu és o meu auxílio e o meu libertador; Senhor, não te detenhas.

Já fiz muitas orações como essa! Em 6 diferentes salmos pode-se encontrar o salmista pedindo “Senhor, bota prioridade por favor…” (como fazem comigo no trabalho rss)
Esse e outros salmos me mostram a necessidade de fazer orações sinceras! Algumas vezes temos a falsa impressão de que não estamos tratando Deus com respeito se não medimos algumas palavras. Temos que ter reverência para com Deus, mas ele é pai! Ele nos conhece melhor do que nós mesmos; não adianta mascarar uma falsa segurança, ou tentar ocultar alguns fatos dele, como se nada estivesse acontecendo! Se estiver passando por problemas, diga isso a ele! Desabafe!

O salmo 70 mostra como Davi age em resposta a uma situação de pressão. O certo é não tomar nenhuma decisão. Apenas busque e espere no Senhor. E isso se vê acontecendo no salmo 40:

Esperei com paciência no Senhor, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor.

No restante do salmo, ele basicamente diz as mesmas coisas que no salmo 70, ou seja, a situação dele não mudou muito! Mas ele espera com paciência.

Essa é a grande questão: como esperar? O que fazer enquanto se espera? Bom, nada mais simples: nada. Somente busque o Senhor e espere. Isso é mais simples escrito do que feito, mas na prática, não tem muito o que inventar! Passará pela sua cabeça que você está perdendo tempo, enquanto nada acontece, e que poderia estar em outro lugar. Mas nenhum tempo de espera é à toa. Enquanto você busca a Deus, ele sempre te conduzirá, sempre falará uma palavra nova, e assim você espera e descansa nele. “Folguem e alegrem-se em ti os que te buscam” é a promessa de Deus que o salmista declara.

Pratique e exercite sua fé. Espera é um desses exercícios.

Paixão x propósito

Uma coisa que foi falada no Passion que vale a pena mencionar é a questão de paixão e propósito.

Enquanto adolescentes ou jovens, é preciso tomar certas decisões que vão afetar sua vida toda. Isso inclui uma profissão, uma faculdade, o primeiro trabalho, um companheiro, e até seu ministério na igreja. Essas coisas variam de pessoa para pessoa, pois Deus criou pessoas diferentes, e cada uma delas com uma personalidade, coração (alma), aparência, sentimentos e história de vida diferentes. Todas essas coisas influenciam em uma coisa, que será a nossa paixão.

Todos tem uma paixão, mas às vezes não é tão fácil descobri-las. A minha eu descobri cedo: computadores. Sei que essa é a minha paixão porque comecei cedo e sempre gostei, e nunca me canso, e faço isso muito bem, obrigado. Contudo, ser um programador não é um objetivo de vida. De fato, isso nem é um objetivo propriamente dito, porque isso já sou, e não me leva a lugar algum. Eu tenho um propósito, para o qual eu uso minha paixão, e descobri que este é glorificar a Cristo.

As pessoas sofrem crises de identidade, crises de adolescência, crises de meia idade, entre outras, todas porque não sabem o verdadeiro significado de suas vidas. Não sabem para que foram criadas, e não sabem aonde querem chegar. Então, todos os esforços parecem inúteis ou infrutíferos (quando se amplia a visão). É por isso que descobrir Cristo é tão importante: porque dá significado à vida.

Tirado da pregação do Pr. Louie Giglio

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: